sexta-feira, setembro 04, 2009

O QUE FOI A CRISE DE 1929?

A crise de 1929 foi uma das maiores crises do Capitalismo. A crise explodiu em 24 de outubro, quando milhões de dólares em ações não encontraram compradores na Bolsa de Nova Iorque. Os investidores de Wall Street, preocupados com o desempenho das empresas de quem haviam comprado ações, tentavam desesperadamente livrar-se dos papéis, originando uma verdadeira avalanche de oferta de ações, que derrubaram os preços arruinando a todos. De uma hora para outra, prósperos empresários dos setores industrial e bancário faliram, milhões de trabalhadores perderam seus empregos e a miséria disseminou-se pelo território norte-americano.

A partir dos Estados Unidos, a crise econômica alastrou-se por todo o mundo capitalista. Sua difusão foi favorecida pelos seguintes elementos: primeiro, a redução das importações norte-americanas, que afetou duramente os países que dependiam de seu mercado; segundo, o repatriamento de capitais norte-americanos investidos em outros países.

As conseqüências da crise de 1929 podem ser assim resumidas:

• para os Estados Unidos, confiantes em seu eterno crescimento econômico, a crise deu início a um período conhecido como Grande Depressão. Foi uma época de grande desemprego, baixo consumo e baixa produtividade. As camadas populares ressentiam-se da miséria e os capitalistas estavam arruinados. Por outro lado, o governo deixou para segundo plano os investimentos sociais, procurando, primeiramente, recuperar a economia do país; tal fato, gerou protestos por parte dos menos favorecidos;

• na Europa, a crise também foi sentida com grande violência, sobretudo porque os Estados Unidos eram os maiores compradores das mercadorias produzidas pelos europeus e os maiores investidores no continente. Além disso, passaram a cobrar os empréstimos concedidos durante os anos 1920. A inflação cresceu assustadoramente e, com ela, os níveis de desemprego, gerando miséria na maioria dos países europeus, inclusive Inglaterra e França;

• no âmbito político, a crise de 1929, ao gerar desemprego e recessão, intensificou as lutas operárias, atemorizando (até porque o triunfo da revolução socialista na União Soviética era evidente) a burguesia e as elites que passaram a apoiar formas autoritárias de governo, conhecidas como nazi-fascismo;

• os governos de diversos países, com vistas à solução da crise econômica, adotaram medidas protecionistas, abandonando, assim, os pressupostos do liberalismo.

O NEW DEAL

O presidente norte-americano eleito em 1932, Franklin Delano Roosevelt, adotou uma política econômica redefinindo o papel do Estado na economia, marcada por forte intervencionismo estatal nos assuntos econômicos. Tal política, inspirada nas idéias do economista John Maynard Keynes ficou conhecida como New Deal, cujo principal objetivo era aumentar o poder aquisitivo da população, aquecendo a economia. Para isso era necessário ampliar os níveis de emprego e o Estado norte-americano encarregou-se dessa tarefa, adotando uma política de obras públicas que recrutava trabalhadores entre as camadas mais pobres da sociedade.

4 comentários:

yas_paschoal disse...

Professor, adorei esse texto, vai ajudar para a prova. E por falar nela, o que irá cair na prova do dia 14[3º ano]?

Ariane disse...

Professor, vou fazer uma pergunta que não tem muito a ver com a crise de 29, porém, eu fiquei com uma dúvida na aula... qual foi a importância de Slobodam Milosevic para a Primeira Guerra é que eu estava pesquisando sei que foi presidente da Sérvia no período mas, não consegui encontrar uma relação. Obrigada

Amanda disse...

Oi Proo, queria saber se a crise de 29 tem alguma semelhança com a crise que começou o ano passado, e se atualmente o plano adaptado é o liberalismo!
Brigadaa!

Anônimo disse...

O doença!!