terça-feira, março 10, 2009

Fé Cega..Faca Amolada





Provocou polêmica em todo o mundo a excomunhão do médico brasileiro Rivaldo Albuquerque, por ter realizado aborto em uma menina de nove anos grávida de gêmeos devido a estupro cometido por seu padrasto. O arcebispo de Recife e Olinda, dom José Cardoso Sobrinho, apliocu a excomunhão do médico pela prática de aborto, ao mesmo tempo em que justificou a não excomunhão do estuprador por não ser tal crime motivo de excomunhão.
Segundo o Arcebispo "Ele cometeu um crime enorme, mas não está incluído na excomunhão, porque existem tantos pecados graves... Esse padrasto, primeiro responsável, que estuprou a menina, é claro que cometeu um pecado gravíssimo; agora mais grave do que isso, sabe o que é? É o aborto, é eliminar uma vida inocente" - defende o religioso.
A cúpula do Vaticano defendeu a mesma interpretação.

Aproveito para deixar aqui o meu REPÚDIO a esse ato lamentável. Sou contra o aborto, mas admito a sua legalização em certos casos e sou plenamente a favor da mais ampla discussão em torno dele, pois se trata de um problema real, grave, que afeta a vida de milhares de pessoas. O Estado é LAICO e tem o dever de defender a vida das mulheres, em particular as pobres. Não podemos aceitar a criminalização do aborto. O aborto hoje é um problema de saúde pública como muito bem ressaltou o presidente Lula. Legalizar não defender a sua prática. Vivemos na era pós-moderna mas muitos traços da modernidade ainda estão presentes. Um deles é a desigualdade social. No Brasil os ricos, e muitos deles se consideram católicos, mandam suas mulheres e filhas para clínicas privadas para realizarem abortos com toda segurança. As mulheres pobres, ao contrário, correm risco de vida.

Eu, na condição de cristão, EXCOMUNGO, toda e qualquer forma de violência cometida a um ser humano.

Faço minhas as palavras abaixo.

EXCOMUNGAMOS...
Pe. Alfredo J. Gonçalves, CS

Excomungamos todos aqueles que multiplicam sua renda através da especulação financeira, principais responsáveis pela crise atual, com todos os males que ela provoca, tornando mais miseráveis os pobres e mais poderosos os ricos...

Excomungamos todos os “paraísos fiscais”, onde o trabalho da imensa multidão anônima se converte em ouro, em dólares e em capital para uso de poucos...

Excomungamos o sistema capitalista de produção e sua filosofia liberal que, ao longo da história, se nutre da exploração dos recursos naturais, do trabalho humano e do patrimônio cultural dos povos...

Excomungamos todos aqueles que acumulam fazenda sobre fazenda, casa sobre casa, criando imensos latifúndios improdutivos ou mansões vazias, ao lado de milhões de pessoas famintas e sem terra e sem teto...

Excomungamos os responsáveis pelos assassinatos no campo e na cidade, não somente os que empunham a arma do crime, mas com maior razão os que pagam para matar...

Excomungamos todos os políticos que, apoiados pelo voto popular, usam do poder em benefício próprio e de seus apadrinhados, traindo aqueles que o elegeram e corrompendo os canais da participação popular...

Excomungamos todo Estado que alimenta um exército de soldados e burocratas e, ao mesmo tempo, deixa cada vez mais precários os serviços públicos, substituindo-os com políticas compensatórias...

Excomungamos todos os traficantes de droga, de pessoas humanas ou de órgãos humanos, que mercantilizam a vida e causam a destruição da família e de todos os laços fraternos de solidariedade...

Excomungamos todas as milícias paramilitares e a “banda podre” das polícias porque, a cada ano, ceifam a vida de milhares de jovens e adolescentes...

Excomungamos todos os tiranos que a ferro e fogo ainda reinam sobre a face da terra, assentados em tronos de ouro, construídos com o sangue, o suor e as lágrimas de seus súditos...

Excomungamos todos os mega-projetos, agro e hidro negócios, que devastam a natureza, contaminam o ar e as águas e, no afã de acumular poder e riqueza, reduzem drasticamente a biodiversidade sobre o planeta Terra...

Excomungamos todos os pedófilos, estupradores, sequestradores e seus cúmplices que não só escandalizam os inocentes, mas os convertem em objeto de prazer e de lucro...

Excomungamos a violência do homem sobre a mulher e as crianças, não raro encoberta pela inviolabilidade do lar e da família e que, aos milhões, esconde hematomas, cicatrizes e traumas sem remédio...

Excomungamos os que fazem de seus carros uma arma que fere, mutila e mata e que seguem impunes pelas ruas com suas máquinas velozes e letais...

Excomungamos todo tipo de exploração do trabalho humano, transformando mulheres e homens em peças descartáveis de uma engrenagem que se alimenta de carne humana...

Excomungamos todo sistema prisional que, pela superlotação, pelos abusos e pela tortura, avilta a pessoa humana e faz da prisão uma verdadeira escola do crime...

Excomungamos todas injustiças e assimetrias realizadas em nome da “democracia liberal”, pois a história tem sido testemunha de que essas duas expressões são incompatíveis...






Um comentário:

\/i¢tøR disse...

É esse caso chega a ser revoltante, como alguém que estudou tanto tempo segue ideais morais faz isso? E pq justamente nesse caso, e não en outros. Esse padre podia excomungar o ladrão o estrupador o político corrupto, chega a parecer que é pra chamar atenção, mas a igreja tem toda uma história quanto a isso, numa doutrina de mais de 2milênios, mesmo sendo uma "doutrina" tinha-se que haver bom senso e ponderações em questões como essa, pesquisas com células tronco, e coisas do tipo. A igreja ja fez tanta coisa abominável em nome de seu ideal( a caça as bruxas, os templários, cruzadas, etc...), e parece que ninguém ve até parece uma sociedade alienada que só sabe dizer amém, mas parece que isso está mudando, seria muito bom se a igreja reve-se alguns conceitos, ou intão que o Obama fosse la tomar conta do Vaticano quem sabe as coisas não melhorassem.


Qeuimaram Roma desse jeito não vai demorar muito a queimarem o Vaticano.

E depois se protestamos, dizem que somo infiéis e a multidam diz amém. Mas nesse caso grande maioria ja teve uma opção contra a igreja (seu representante) ja é alguma coisa, sinal que as coisas estão mudando